domingo, 14 de outubro de 2012

"Viagem solitária" - Um projeto pedagógico revolucionário.



Terminei há alguns dias o livro escrito por João W. Nery, cujo título, Viagem Solitária, é um convite para conhecer a jornada iniciada por João, desde criança ao descobrir-se transexual, mesmo ainda sem o conhecimento da existência do termo,  convivendo com sentimentos amargos da falta de identidade corporal e indo mais além, a falta completamente de identidade propriamente dita, nutrindo um vazio pela desordem de sua vida.
E João, sendo um daqueles caras que não optam pela covardia, permaneceu firme aos seus propósitos de enfim adequar-se a sua construção de gênero, não somente através de cirurgia, como também, através de suas vivências. Obstinado, lutou pelo reconhecimento de sua família e da sociedade sofrendo preconceitos, assim como todos os seres humanos que ousam assumir uma vida diferente dos padrões sexistas.
Entretanto, como estudante de pedagogia e gênero, admito que outro aspecto chamou mais a minha atenção, um aspecto que tornou-se para mim, um objetivo profissional e um princípio pedagógico: a educação não-sexista.
O relato de João sobre como educou o seu filho Yuri, trata-se de um ideal feminista, uma das principais reivindicações do movimento para toda a sociedade, em uma dos trechos, precisamente no capítulo 9, que curiosamente recebeu o título: “Difícil ser macho”, João é interpelado por Yuri quando este ainda tinha 6 anos de idade:
“- Pai, menino que não gosta de futebol é viado?”
Acredito que a maioria dos pais rapidamente responderia negativamente ou discorreria sobre as coisas boas do futebol, mas estamos falando de João, um homem transexual, heterossexual e feminista, que fez a diferença na vida de seu filho e decidiu pela via mais difícil, porém mais honesta e verdadeira possível:
“Falei que homem não tem que gostar de futebol e nem gostar de boneca. Que ser corajoso é poder demonstra o afeto e dizer o que pensa. Falei do preconceito das pessoas em relação a quem tem opção sexual diferente. Mostrei a foto de uma amiga que tinha sido homem. Ele olhou o retrato e a achou bonita. Pensei que era cedo para ele compreender a minha história. Queria que estivesse pronto e, quem sabe, pudesse se orgulhar dela.”
E mais tarde, Yuri confirma que a educação não-sexista, é possível e o orgulho torna-se visível pela história de lutas e conquistas de seu pai. O menino cresce livre de preconceitos, desprendido do conservadorismo, e constrói seus princípios morais sem “moralismos”. Um projeto pedagógico que poderia servir de exemplo para muitos educadores e especialistas do campo.
Espero, inclusive, contar com essa experiência inovadora na elaboração de minha monografia, no qual, em um dos seus capítulos irá relatar sobre projetos educacionais com relação a gênero e diversidade sexual que apresentaram resultados positivos na promoção da cidadania e desconstrução de preconceitos.
E assim, mesmo não possuindo “envergadura” crítica e assumindo completamente a admiração que me fez fã desse escritor maravilhoso, acredito que minha opinião pode ser levada em consideração, afinal, é notável durante a leitura do livro, a vocação de João W. Nery em alcançar, através de uma história verídica sem os truques da ficção, como também, sem menosprezar sua cultura e inteligência, qualquer tipo de leitor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário